Ir para a página inicial de segurança Digital

Este manual contém as estimativas do RGPD que afetam o tratamento com câmeras de vídeo em ambientes de segurança e outras finalidades.

Vigilância geral

A agência espanhola de proteção de dados (GALARDOADA) Ele publicou um guia que analisa a utilização de câmaras de vídeo tanto para a segurança das pessoas, bens e instalações, Quanto aos diferentes usos, como o controle de trabalho, gravações de sessões de faculdades ou captura de imagens em eventos da escola.

'Proteção de dados: Guia sobre o uso de câmeras de vídeo para segurança e outras finalidades' pega as previsões das regras de proteção de dados gerais (RGPD) que afetam os tratamentos realizados usando estes dispositivos.

Vigilância geralNeste sentido, as regras de procedimento, aplicáveis do passado 25 Maio, Incorpora um conjunto de princípios que devem ser referidos quando lidar com imagens recolhidas por câmeras de vídeo e obrigações. Também, o RGPD desloca a maioria da instrução 1/2006 da Galardoada relativa ao tratamento de dados pessoais para vigilância através de câmeras ou sistemas de vídeo.

O documento é dividido em dois blocos principais. Os primeiros detalhes os princípios do RGPD que deve ser avaliada para tratar imagens capturadas por câmeras de vídeo para segurança. Entre estes princípios de responsabilidade proativa é, sob as quais uma série deve realizar ações, avaliar se as imagens que irão capturar são proporcionais ao objectivo perseguido e medidas como manter um registro das atividades de tratamento ou notificar violações de segurança.

Dentro deste bloco são listados casos específicos de tratamento de imagens para segurança como que ele pode realizar, designadamente, o corpo de segurança e de forças, instituições financeiras, joias, detetives particulares, comunidades de proprietários ou áreas tais como as infra-estruturas críticas, eventos desportivos ou ambientes de escola.

Vigilância geralNo segundo bloco, o guia aborda a utilização de câmaras de vídeo com outros fins que não a segurança. Dentro desta área é o uso de câmeras para o controle de tráfego, gravando e tirando fotos em eventos da escola, assim como a gravação de reuniões que celebram as faculdades de administração pública e, designadamente.

O documento dedica uma seção específica para usar chamadas tecnologias emergentes, como as câmeras a bordo, distinção entre os casos em que gravar imagens com esta tecnologia é feita para uso doméstico, daqueles em que o fim é a evidência para determinar possíveis responsabilidades por acidentes ou incidentes de trânsito. Esta seção também lida com a aquisição e processamento de imagens de câmeras incorporadas drones.

Enfim, Guia realiza uma revisão pelas suposições que os regulamentos de proteção de dados não é aplicável, como o tratamento de imagens no campo é exclusivamente pessoais e domésticas ou usando câmeras simuladas.


Seja sociável, Ação!

Gostou deste artigo?

Assine nossa Feed RSS e em se perderá nada.

Outros artigos sobre
Por • 4 Julho, 2018
• Seção: CCTV